Quarto

Não foram muitas as visitas e nem prolongado foi o tempo. Quando se deu conta, notou os carros a correrem depressa para o lar distante dali. A lua se demorou no olhar que brilhava, agradecido por mais um dia. Não saberia dizer quantos dias já teve, mas poderia contar se quisesse. Poderia contar quem e quantos foi, o que fez e o que faria. Para quê, para quem?

Os remédios não pareciam se importar com falhas de caráter ou escolhas erradas. O quarto repetido incessantemente no corredor o tornaria como todos, afinal. A monotonia branca da rotina de papinhas e programas de TV indistinguíveis viriam a ser seu novo lar.  Temporário, eles disseram, como tudo o que pode não ter fim ou acabar em breves suspiros.

Já havia suspirado o bastante para descartar esta opção. Impossível enumerar há quanto tempo estava ali, os dias já haviam se misturado em um amanhecer e entardecer infinitos. Constantemente se perguntava sobre o que haveria depois do quarto branco. O nada? Um céu? Um inferno? Sua vida de volta? Ah… Quantos meios-termos poderiam existir?!

O suficiente, esperava, proibindo-se de entrar num loop de indagações irrespondíveis com a lembrança de um pensamento: estava vivo. Mais do que ar nos pulmões, mais do que pulsação ou funções vitais: estava vivo! E a lua, e as estrelas, e as nuvens, e os sóis, e os céus provavam a ele que não estava sozinho. Mais do que lágrimas presas, seus olhos refletiam alguém ali dentro que gritava. Em seus espelhos, a esperança desenhava a certeza inquietante de que a vida tinha que ser muito mais, e era mais ainda.

Anúncios

4 pensamentos sobre “Quarto

    • brigada debbys!! aah, já! já até comecei um. mas é muito mais dificil do que parece! hahaha
      anyway, é uma das coisas que pretendo fazer antes de morrer :)

  1. Gostei principalmente da parte “entrar num loop de indagações”. Vc nasceu para fazer SI e poesia.

    Vc pode inaugurar uma nova área do conhecimento inclusive: algoritmos poéticos. Pense nisso!

  2. não tenho idéia do que seja um loop de indagações irrespondíveis. ai Deus.

    “Em seus espelhos, a esperança desenhava a certeza inquietante de que a vida tinha que ser muito mais, e era mais ainda.” : é porque o espelho reflete o que vê!

    Adorei!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s